.

.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Ler um livro no Brasil ainda é para poucos!

São 77 milhões de não leitores, dos quais 21 milhões são analfabetos. Já os leitores, que somam 95 milhões, leem, em média, 1,3 livro por ano. Incluídas as obras didáticas e pedagógicas, o número sobe para 4,7 - ainda assim baixo. Os dados estão na pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, feita com 5.012 pessoas em 311 municípios de todos os estados, em 2007. Moramos em um país em que os livros são caros e de difícil acesso.
Agência Diap

Trabalhadoras fazem reivindicações

As Mulheres da Força Sindical realizaram hoje, 30/11/, passeata em São Paulo. As trabalhadoras reivindicam a abertura das delegacias durante 24 horas para que as mulheres possam prestar queixa quando sofrem violência doméstica.

Para Maria Augusta Marques, secretaria estadual da Mulher, a sociedade deve se engajar nesta luta e lutar para que seja cumprida a Lei Maria da Penha. Já Neuza Barbosa, secretaria de Qualificação Profissional da Força, afirma que as autoridades precisam deixar de conversa mole e assumir o compromisso com as mulheres de abrir as delegacias 24 horas.

A manifestação foi organizada pela Força Sindical São Paulo e a Força Sindical Nacional. Durante a passeata, as trabalhadoras gritavam palavras de ordem, como "Quem ama não mata, não briga e não maltrata". Algumas fizeram maquiagem para mostrar ferimentos e agressões que as mulheres sofrem.
Força Sindical

Foto: Jaelcio Santana

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Movimento sindical unifica proposta para Previdência

As centrais sindicais - CUT, Força Sindical, UGT, Nova Central, CGTB e CTB - e entidades representativas dos aposentados superaram as divergências e chegaram a uma proposta unitária quanto ao índice de reajuste das aposentadorias para os próximos anos.
A proposta consensual é:
- defender a imediata aprovação da política permanente de recuperação do salário mínimo, até 2023, com base no INPC do ano anterior, mais a variação do PIB (Produto Interno Bruto) de dois anos anteriores;
- defender ainda uma política permanente de recuperação dos benefícios das aposentadorias e pensões com valores superiores ao salário mínimo, com base na variação do INPC do ano anterior, acrescido de 80% do PIB de dois anos anteriores;- e ainda reunificar a posição das centrais pelo fim do fator previdenciário, contra a exigência de idade mínima para aposentadorias e contra a adoção da chamada média curta para cálculo das aposentadorias.
Agência Diap

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

16 Dias de Ativismo - Participe!

Desde 1991, de 25 de novembro a 10 de dezembro, ativistas de todas as regiões do mundo têm participado da Campanha dos 16 dias de Ativismo contra a Violência de Gênero. A mensagem fundamental da campanha é a chamada de unificação para o movimento de mulheres e o reconhecimento de que a violência contra as mulheres é uma violação dos direitos humanos, que atinge aos povos de cada país, cada raça, classe, cultura e religião.

A Campanha 16 Dias de Ativismo tem um papel relevante na promoção do debate e propõe dar visibilidade às várias formas de violência contra as mulheres, estimulando o reconhecimento de condutas corriqueiras como formas de violência e a adoção de comportamentos críticos, de resistência e de alteração dessas condutas. Ao sensibilizar diversos setores da sociedade, incluindo os legisladores das esferas públicas, a Campanha contribui para a implementação efetiva do Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra as Mulheres e o do Plano Nacional de Política para as Mulheres.

A campanha dos 16 dias também dá oportunidade aos ativistas para trabalhar juntos em solidariedade, utilizando esse período no qual há um aumento da atenção ao tema a nível internacional para procurar apoio aos seus esforços.

O tema da campanha deste ano é:

COMPROMETA-SE ▪ ATUE ▪ RECLAME: PODEMOS ACABAR COM A VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES !
COMPROMETA-SE: TODOS E TODAS SOMOS RESPONSÁVEIS!

No Brasil, a Campanha começa mais cedo, em 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra para evidenciar a dupla violência vivenciada pelas mulheres negras decorrentes do sexismo e do racismo e inclui as seguintes datas: 25 de novembro, Dia Internacional da Não Violência contra as Mulheres, 1º de Dezembro, Dia Mundial de Combate à Aids, 6 de dezembro, Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo fim da Violência contra as Mulheres, encerrando-se em 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Marcha de Mulheres da Força Sindical

Será realizada no dia 30/nov, em São Paulo, a Marcha das Mulheres da Força Sindical contra a violência, organizada pela Secretaria Nacional da Mulher. A Força convida os trabalhadores para participar da Marcha das Mulheres e para aderir à Campanha do Laço Branco: "Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres". A luta é pelo funcionamento 24 h das Delegacias de Defesa das Mulheres; pelo cumprimento da Lei Maria da Penha; pelos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres.

Movimento Sindical engajado na luta pelo Meio Ambiente

O jornal Valor Econômico, principal veículo especializado em economia do País, publicou dia 19/nov ampla reportagem abordando as ações desenvolvidas pelo movimento sindical em prol da preservação das condições de sustentabilidade do meio ambiente. O consenso no meio sindical é que o caminho para a conscientização passa por difundir entre os trabalhadores a importância do asunto.
Valor Econômico

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

A quantas anda: Redução da Jornada

A primeira reunião de parlamentares que representam o empresariado e os trabalhadores, promovida para discutir a proposta de emenda à Constituição destinada a reduzir a jornada semanal de trabalho terminou, na quinta-feira (19), com duas decisões:
1) a proposta não será votada neste ano pelo plenário da Câmara;
2) a negociação vai continuar.
Paulinho reafirmou, ao fim da reunião, que os sindicalistas aumentarão a pressão sobre os parlamentares e os empresários, a partir de janeiro. "As centrais sindicais estão combinando que a partir do dia 15 de janeiro vai acontecer uma série de paralisações, greves e manifestações. Os trabalhadores só voltam quando reduzirem a jornada. Vamos iniciar o ano com o pé no acelerador", enfatizou.
Agência Diap

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

SEAAC AM completa 18 anos

Hoje, o SEAAC de Americana completa 18 anos de idade. Através do trabalho, crescemos, aprendemos, conquistamos e construímos. Temos muitos motivos para nos orgulhar de nosso Sindicato!

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

A quantas anda: Reajuste Aposentadorias

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva convocou reunião, para a última quinta-feira (12), com líderes da base governista na Câmara para discutir a concessão de reajuste as aposentadorias superiores a um salário mínimo e concluiu que a discussão do assunto fica adiada para o próximo ano. O Governo quer evitar confronto com os aposentados e ao mesmo tempo evitar o rombo nos cofres públicos que as despesas com aumento dos benefícios provocariam, uma vez que os parlamentares tanto da base aliada quanto da oposição tem demonstrado disposição para aprovarem as matérias de interesse dos aposentados. Pois é!
Agência Diap

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Estivemos na 6ª Marcha de Trabalhadores

Os dirigentes das Centrais Sindicais que promoveram a 6ª Marcha da Classe Trabalhadora entregaram uma pauta de reivindicações ao ministro Carlos Lupi (Trabalho), quarta-feira (11), que tem como principal item a redução da jornada de trabalho para 40 horas, sem redução do salário. O SEAAC Americana esteve presente.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

O Brasil precisa ousar!

O presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochmann, disse na tarde de 30/nov, no 3º Congresso do Sintrafesc, em Florianópolis, que o Brasil vive um momento privilegiado e só uma coisa pode impedir o país de alcançar uma grande mudança: "o medo de ousar, o medo de arriscar, o medo que paralisa". E para isso, será preciso contar com as forças sociais que organizam a sociedade, como os sindicatos, que têm o desafio compreender as mudanças que estão em curso e que vão alterar significativamente o modelo de sociedade que conhecemos.
Gestão Sindical

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

6ª Marcha de Trabalhadores reúne milhares em Brasília

Foto: Antonio Cruz/Ag. Brasil
Com faixas, bandeiras e palavras de ordem em defesa da jornada de 40 horas semanais, valorização do salário mínimo, controle nacional das riquezas do pré-sal, fim das demissões imotivadas e contra a precarização do trabalho, mais de 40 mil trabalhadores marcharam hoje em Brasília, convocados pelas Centrais Força Sindical, CUT, CTB, CGTB, UGT e Nova Central. Nós também estivemos presentes!

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Centrais voltam a negociar reajuste aposentadorias

Os dirigentes das Centrais Sindicais vão pressionar o governo para aumentar o aumento real oferecido, para 2010 e 2011, aos aposentados e pensionistas que ganham mais do que o salário mínimo – em mais uma tentativa de acordo em torno dos projetos de lei que estão prontos para votação na Câmara dos Deputados, especialmente o que estende a todos os benefícios previdenciários o mesmo reajuste dado ao salário mínimo.
A proposta do governo, definida em agosto, prevê reajuste das aposentadorias pela inflação, associada a um aumento real de 50% do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes – o que daria, em 2010, pouco mais de 6%.
Agência Estado

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Mulheres na Liderança

As cem maiores empresas do Brasil ostentam números impressionantes: US$ 522 bilhões em vendas, US$ 30 bilhões de lucro, 1,236 milhão de funcionários em 2008. E nenhuma mulher na presidência.
Entretanto, nas pequenas e médias empresas a liderança feminina é marcante e tem crescido rapidamente nos últimos anos.
Denise Godoy - Folha de SP

6ª Marcha de Trabalhadores

Nesta quarta-feira (11), as centrais sindicais realizam a 6ª Marcha da Classe Trabalhadora a Brasília, que vai pressionar a Câmara dos Deputados a votar a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais.

As reivindicações dos trabalhadores nesta marcha são:
- Redução da jornada semanal de trabalho para 40h;
- Aprovação do PL 1/07, que trata do salário mínimo;
- Ratificação das convenções 151 e 158, da OIT;
- Não a precarização: retirada dos projetos sobre terceirização, PLs 4.302/98 e 4.330/04;
- Aprovação da PEC 438/01, que penaliza o trabalho escravo;
- Trabalho Decente; e
- O pré-sal é nosso.
Estaremos presentes!
Agência Diap

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Vale Cultura para o Trabalhador

A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que cria o Vale Cultura. Trata-se de um vale mensal de R$ 50, semelhante ao Vale Refeição ou Vale Transporte, que será destinado a trabalhadores que ganham até cinco salários mínimos.
O projeto, que tramita em regime de Urgência Urgentíssima, agora vai ser votado no Senado e depois vai à sanção do Presidente e a previsão é a de que seja colocado em prática já no ano que vem. O Vale Cultura será distribuído às empresas que aderirem ao Programa Cultura do Trabalhador e poderá ser usado na compra de livros, ingressos para cinemas, teatros e museus. A matéria precisa ser votada ainda pelo Senado.
Estado de SP

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

LEMBRE: O Trabalhador fiscaliza o Sindicato

Engana-se quem pensa que as entidades sindicais não têm de dar satisfações sobre a aplicação que dão aos valores recebidos através do imposto sindical.
Todos os sindicatos têm um conselho fiscal, que administra e controla os gastos da entidade e deve prestar contas ao trabalhador através de assembléias espefícicas que tratam das questões financeiras, fazendo a previsão orçamentária de receitas e despesas do exercício seguinte, análise e discussão do balanço financeiro e patrimonial, prestando informações sobre receitas e despesas.
Os dirigentes sindicais eleitos pela categoria, só podem reeleger-se se estiverem com as contas em ordem e o trabalhador brasileiro está muito bem qualificado para fiscalizar a entidade que o representa.

Ministério Público x Sindicatos

Os dirigentes das seis centrais sindicais brasileiras - Força Sindical, CUT, UGT, CTB, NCST e CGTB - entregaram ao diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Juan Somavia, denúncia contra a interferência indevida do Ministério Público do Trabalho (MPT) nos sindicatos do País. O encontro ocorreu na última segunda-feira (2), em Genebra, na Suíça.
Os sindicatos estão sendo chamados pelo MPT em vários estados para assinar termos de ajustamento de conduta (TACs), pois os procuradores consideram que não podem ser cobradas taxas de não sindicalizados. Uma delas é a taxa assistencial, descontada anualmente da negociação coletiva de sócios e não sócios das entidades.
Segundo o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva (Paulinho), o diretor-geral da OIT considerou a denúncia grave. "Ele observou que o caso está fartamente documentado, fará uma ampla investigação e tomará as devidas providências", relatou."Quando firmamos um convênio coletivo, ele vale para toda a categoria profissional e não somente para os associados ao sindicato", lembra o presidente da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), defendendo a contribuição assistencial.
Perseguições
A denúncia das centrais envolve também outras práticas antissindicais correntes no Brasil: o uso do interdito proibitório, para inviabilizar greves e mobilizações; e perseguição e assassinato de dirigentes sindicais.
Agência Diap
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...