.

.

segunda-feira, 7 de junho de 2021

Trabalhadores da Glovis aprovaram PPR de R$ 2.760,00

Votação e apuração na assembleia que aprovou PPR

Os trabalhadores da Glovis Brasil Logística, que operacionaliza na Hyundai, em Piracicaba, receberam na última sexta-feira R$ 1.900,00 referentes a primeira parcela do PPR 2021. A segunda parcela de R$ 860,00 será paga em 31 de janeiro de 2022, totalizando o valor de R$ 2.760,00 que o SEAAC de Americana e Região conseguiu negociar depois de várias reuniões com a empresa. 

“No ano passado os trabalhadores receberam R$ 2.325,00 de Programa de Participação nos Resultados (PPR). Este ano, apesar da Pandemia ainda estar aí, criando instabilidade econômica e muita incerteza, conseguimos reajustar o PPR em 18,70%. Claro que sempre queremos mais, mas a empresa chegou em uma proposta definitiva. Daí, entendemos que o valor conseguido era possível de ser levado a assembleia”, explicou a presidenta do SEAAC, Helena Ribeiro da Silva. 

Na assembleia realizada presencialmente, adotando-se todos os procedimentos de distanciamento, os trabalhadores aprovaram em votação secreta a proposta de R$ 2.760,00. “Em grupos de seis trabalhadores, mantendo distanciamento, assinavam a lista de presença, pegavam a cédula e votavam de forma reservada. Num momento como esse, o valor recebido é um alívio para os trabalhadores”, concluiu Helena. 

Luciano Domiciano (Assessoria de Imprensa, 07 de junho de 2021)

1050 vagas em 21 cursos

Teste do Pezinho

Novas regras do Zap

Como conquistas ambientais do Brasil estão ruindo sob Bolsonaro

Outrora considerado uma potência ambiental, o Brasil sofre com desmonte de suas políticas de conservação desde a ascensão de Jair Bolsonaro. Neste Dia Internacional do Meio Ambiente (05/06), o país não tem o que comemorar: relatos invasões e violência em unidades de conservação e terras indígenas dominam os noticiários; alertas de desmatamento registrados via satélite mostram alta de 41% no mês de maio em relação ao mesmo período de 2020. 

"Estamos indo na contramão de tudo o que foi construído pelo Brasil durante muitos anos. É muito difícil construir a solidez das politicas ambientais, preservar e implementar. Mas desmontar é muito rápido. E recuperar isso talvez seja um exercício hercúleo", afirma Thelma Krug, pesquisadora aposentada do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Com a redemocratização, as últimas décadas foram marcadas pela criação e implementação de políticas ambientais no país que detém a maior floresta tropical do mundo e que, ao mesmo tempo, é um dos maiores produtores de commodities agrícolas.

"Todo o arcabouço ambiental foi criado pra valer após Constituição. Da Política Nacional de Recursos Hídricos ao licenciamento ambiental e Politica Nacional de Mudanças Climáticas”, diz Tasso Azevedo, coordenador do Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima (SEEG) e do Projeto de Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo no Brasil (MapBiomas).

Especialistas e pesquisadores ouvidos pela DW Brasil são unânimes: o movimento agora é no sentido contrário. "É a primeira vez que temos um período em que o governo age deliberadamente contra a agenda ambiental. Essa que essa é a novidade”, pontua Azevedo.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...